fone 51 3028 1020 | 51 3028 1828
51 3325 3060 | 51 3012 8866
51 996 175 061
e-mail iad@iadrs.com.br
iaD - Instituto do Aparelho Digestivo
Curtir Curtir página inicialVoltar à home  
Av. Cristóvão Colombo, 3060
CEP 90560 002 - Porto Alegre - RS
Estacionamento Conveniado
Estacionamento Conveniado
localização
   
Gastroenterologia IAD
IAD Unidade de Gastroenterologia IAD

 

Intolerância à Lactose

O que é?
A intolerância a alimentos que contém lactose é um problema muito comum. Nos Estados Unidos a prevalência chega a 20% da população adulta, sendo que em algumas populações asiáticas alcança 90%.
Os sintomas clínicos da intolerância à lactose incluem diarreia, dor abdominal, distensão abdominal (barriga inchada), vômitos e flatulência (eliminação de gases) após a ingestão de leite ou produtos que contenham leite. Estes sintomas são atribuídos ao baixo nível de Lactase intestinal (enzima responsável pela digestão da lactose), que pode ser devido à lesão aguda ou crônica da mucosa intestinal (infecção intestinal aguda, doença celíaca) ou, muito mais comumente, à redução da expressão da enzima (Lactase), herdada geneticamente. Entretanto, a intolerância ao leite nem sempre é o resultado da deficiência de Lactase. Pode ocorrer como uma reação alérgica a proteínas do leite, sendo uma das alergias alimentares mais comuns em crianças pequenas, mas extremamente incomum entre adultos.


Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico de intolerância à lactose é definido naqueles pacientes com sintomas típicos que apresentem o teste de absorção positivo. Entende-se como apresentando teste positivo, aquele paciente que após a ingestão de 50g de lactose não tem a sua glicemia elevada em pelo menos 20mg/dl. O teste respiratório é outro método para o diagnóstico; no entanto, é pouco disponível em nosso meio.

Como se trata?
Na ausência de uma doença de base predisponente, o tratamento da intolerância à lactose inclui quatro princípios gerais: reduzir a ingestão de alimentos que contenham lactose, a substituição da lactose por outras fontes de energia, a utilização da enzima Lactase comercialmente disponível e a manutenção da ingestão de cálcio e vitamina D.

 

Tratamentos da Unidade

voltar ao topo voltar ao topo