fone 51 3028 1020 | 51 3028 1828
51 3325 3060 | 51 3012 8866
51 996 175 061
e-mail iad@iadrs.com.br
iaD - Instituto do Aparelho Digestivo
Curtir Curtir página inicialVoltar à home  
Av. Cristóvão Colombo, 3060
CEP 90560 002 - Porto Alegre - RS
Estacionamento Conveniado
Estacionamento Conveniado
localização
   
Gastroenterologia IAD
IAD Unidade de Gastroenterologia IAD

 

Cirrose Hepática

O que é?
A Cirrose representa o estágio final de uma fibrose hepática progressiva, caracterizada pela distorção da arquitetura do órgão e pela formação de nódulos regenerativos. É considerada uma doença irreversível, sendo que em estágios avançados o único tratamento é o transplante de fígado. Embora haja uma ideia popular de que a cirrose é uma doença de pacientes alcoolistas, qualquer processo inflamatório hepático crônico pode levar à cirrose. São causas de cirrose: uso crônico de álcool, hepatites virais crônicas (hepatites B e C), hepatite autoimune, cirrose biliar primária, doença de Wilson, hepatites induzidas por drogas ou toxinas, hemocromatose, insuficiência cardíaca direita crônica, etc.

Como de faz o diagnóstico?
No início da doença não há praticamente nenhum sintoma, o que a torna de difícil diagnóstico precoce, pois a parte ainda saudável do fígado consegue compensar as funções da parte lesada durante muito tempo. Numa fase mais avançada da doença, podem surgir graves complicações tais como: desnutrição, hematomas, aranhas vasculares (vasos tortuosos na pele), sangramentos de mucosas (especialmente gengivas), icterícia ("amarelão"), ascite ("barriga-d'água"), hemorragias digestivas (principalmente por varizes esofágicas) e encefalopatia hepática (processo causado pelo acúmulo de substâncias tóxicas que desencadeia um quadro neurológico, podendo variar entre discreta dificuldade de atenção até o coma), câncer de fígado.

Como se trata?
A principal medida terapêutica é a tentativa de eliminação do fator desencadeante principal, como por exemplo a abstenção alcoólica e o tratamento das hepatites virais. No entanto, o tratamento definitivo é o transplante de fígado, embora nem todos os pacientes venham a necessitar deste procedimento. Enquanto o transplante não ocorre ou se não é necessário, o tratamento nutricional, medicamentoso e endoscópico é instituído para manter a doença estável.

 

Tratamentos da Unidade

voltar ao topo voltar ao topo